Gasolina livre de óleo apartir de resíduos vegetais

Os biocombustíveis de origem vegetal competem com os combustíveis fósseis, enquanto o preço do barril de petróleo está acima dos 50 dólares.

 

Deixe de colocar os restos de grama cortados e de arbustos e outros residuos verdes que começarão a acumular quando chegar a primavera. Na medida em que os jardins e espaços verdes estão regressando à sua antiga glória, a indústria petroquímica está sentindo a pressão... e com muita razão.

 

A coleta e  uso de plantas e outros resíduos agrícolas ou florestais – principalmente palha de trigo – foram dados a uma empresa na região de Champagne, Global Bioenergies, uma brilhante ideia: por que não produzir hidrocarbonetos líquidos da fermentação de biomassa? E a cereja do bolo é a utilização de matérias primas e que não competem com os alimentos nem com sua produção.

 

Pinturas de acrílico, caucho, querosene e combustível

 

Convertidos em açúcares fermentáveis, estes recursos produzem isobutano, um gás que é essencial para a fabricação de caucho, plásticos, alguns acrílicos, plexiglás, querosene e de combustível.

 

Como? Para produzir isobutano, as bactérias geneticamente modificadas submersas em um tanque de 500 litros transformam os açúcares – glicose e sacarose – que se encontram nas plantas. A fermentação gera um gás que contém isobutano. Isto podia ser tão valioso como o ouro negro – o petróleo. Nada menos que 15 milhões de toneladas da versão petroquímica são produzidas a cada ano.

 

Do isobutano a isoctano

 

A diferencia de outras alternativas como o bioetanol, não são necessárias modificar ou limitar a porcentagem antes de injetar o isobutano num motor. Claro, para obter o combustível verde – ecológico, o gás ainda tem que ser purificado, liquefeito e refinado. Então logo se converte em isoctano – e como é equivalente ao Super 100 para motores a gasolina, ele pode ser usado diretamente.

 

Esta gasolina verde barata já tem sua cota de imitadores. Audi provou em seus veículos e até realizou provas extensivas de motor para validar as especificações do isoctano. A tecnologia verde podia chegar pronta aos postos de combustíveis, especialmente a partir de 2020 a Europa irá requerer que 10% dos combustíveis para o transporte público sejam biocombustiveis.