28 august 2017

Conheça a atuação da Veolia no Centro de Disposição de Resíduos Pedreira, São Paulo

A empresa opera um dos maiores aterros sanitários da América Latina, que recebe hoje 5.800 toneladas por dia entre resíduos domiciliares e industriais.

O Centro de Disposição de Resíduos - CDR Pedreira, localizado em São Paulo, foi adquirido pela Veolia em junho de 2016. O segundo maior aterro sanitário/industrial privado do Estado de São Paulo é ainda um dos maiores da América Latina. Em funcionamento há 15 anos, recebe hoje 5.800 toneladas por dia entre resíduos domiciliares e industriais.

Segundo o Diretor de Aterros e responsável pelo CDR Pedreira, Fábio Zampirollo, a operação foi iniciada em 2001 e sua capacidade total é de 31.500.000 toneladas em uma área total de 1.025.616 m2, sendo a área ocupada pelo maciço de resíduos correspondente a 564.655 m2.

Fábio destaca que o empreendimento tem ainda uma capacidade adicional para 40.000.000 toneladas, a qual encontra-se em fase de licenciamento ambiental. Atualmente o CDR Pedreira recebe resíduos domiciliares e industriais Classe II-A e II-B das cidades de Arujá, Atibaia, Itaquaquecetuba, Mairiporã, Nazaré Paulista, Piracaia, Poá, São Paulo e Suzano. Só da cidade de São Paulo, o aterro recebe aproximadamente 3.500 toneladas de por dia de resíduos de varrição e de limpeza de reservatórios de contenção de enchentes de toda a cidade.

Conforme explica o Diretor, desde o mês da aquisição, a Veolia está implantando os padrões operacionais e de engenharia mundialmente utilizados pelo Grupo. “O CDR Pedreira atende a todas as exigências técnicas da Cetesb e é certificado pela Norma ISO 14001 desde 2004”, completa.

Além disso, a Veolia é responsável pela gestão ambiental e monitoramento dos recursos naturais, como fauna e flora, garantindo o bom funcionamento do empreendimento sem prejudicar ao meio ambiente, assegurando as espécies que habitam aquela região.

Atividades de gestão do aterro e gestão ambiental

O Diretor de Aterros destaca que antes de iniciar a disposição de resíduos é realizada uma série de medidas para garantir a total proteção ambiental:

• Terraplenagem: preparação do terreno de acordo com o projeto executivo.

• Impermeabilização com argila compactada: aplicação de uma camada de argila compactada com 1,0m de espessura, com controle de compactação e permeabilidade (k<10-7cm/s)><10-7 cm/s).

• Impermeabilização com geomembrana de Polietileno de Alta Densidade PEAD, com espessura de 2,0mm.

• Aplicação de camada de solo de proteção mecânica da geomembrana com espessura de 50 cm.

• Instalação do sistema de drenagem com os ramais de drenos horizontais e também de drenos verticais, constituídos de tubulação de PEAD, envolvidos por uma camada de brita e um geotêxtil de filtração.

• Para o processo de admissão dos resíduos, o CDR Pedreira possui quatro balanças com capacidade de 80 toneladas cada, todas interligadas, onde os caminhões são identificados, pesados e direcionados ao local de disposição final. Supervisionados por nossos profissionais, os caminhões descarregam seus materiais na área operacional.

• Na saída, os caminhões descarregados, passam novamente na balança, para verificar o total de material depositado, de forma segura e rápida.

• Após a descarga do material na área operacional do Aterro, nossos equipamentos começam o processo de espalhamento e compactação dos resíduos.

• O CDR Pedreira possui 10 poços de análise de águas subterrâneas e três pontos de análise de águas superficiais, controles que comprovam a total preservação do solo e do lençol freático.

• Como medida compensatória o CDR Pedreira já efetuou o plantio de aproximadamente 10.000 mudas de espécies nativas da mata atlântica.

Para o tratamento dos efluentes, o chorume, gerado pela decomposição da matéria orgânica dos resíduos é encaminhado para armazenamento em lagoas de acumulação, sendo posteriormente enviado por meio de caminhões tanques para tratamento externo.

Central de Combustão de Biogás
 














O CDR Pedreira possui uma Central de Combustão de Biogás, onde é realizado o processo de exaustão do biogás contido em resíduos orgânicos. Essa central faz a exaustão forçada do biogás do maciço dos resíduos, tratando o metano por meio de combustão controlada. Ela possui capacidade nominal de 15.000Nm3/hora, distribuída em seis flares com capacidade de 2.500Nm3/hora cada. Esse processo gera créditos de carbono, por meio de projeto validado pela ONU. “Futuramente o biogás poderá ser aproveitado para geração de energia elétrica ou utilizado como combustível, em substituição ao gás natural, constituindo de uma fonte de energia renovável”, destaca Fábio.