26 may 2016

Colaboradores criam sistemas inteligentes para evitar desperdícios dos recursos naturais

O projeto interno “Nosso Mundo Melhor” tem como objetivo revelar o que os colaboradores da Veolia fazem em prol do meio Ambiente. São ideias sustentáveis, simples, que todos podem desenvolver em casa.

 
Jeferson
Jeferson Farias, Gerente de Sistema de Gestão Integrado, Unidade Matriz implementou na casa de seus pais uma ação de redução da poluição ambiental. Por meio do acondicionamento do óleo usado na fritura de alimentos, ele evita a contaminação de até um milhão de litros de água.

Os locais de coleta destinam esse óleo para empresas capacitadas que transformam o resíduo em biodiesel, sabão, tintas a óleo, massa de vidraceiro, entre outros.
 

 “É uma ação simples, que pode ser feita por todos em sua residência. Após o óleo utilizado na fritura esfriar, é só guardar em um recipiente limpo, que pode ser uma garrafa pet e entregar em algum ponto de coleta”, explicou Jeferson.

Confira os pontos de coleta em sua cidade.

http://www.liza.com.br/Sustentabilidade/Acao-Renove.aspx

 
Liziane
 Liziane Eymael, Gerente de Pulp & Paper Veolia Brasil, Unidade Matriz, desenvolveu em sua casa uma maneira de aproveitar os resíduos orgânicos, assim diminuindo a quantidade de lixo gerada. Sua engenhoca? Nada complicado, um minhocário! Cascas de frutas, legumes restos das refeições e parte das folhas que caem das árvores servem de alimento para as minhocas.
 

“O material orgânico que depositamos serve de base para a criação de minhocas que meu marido utiliza como isca para pescar no fim de semana. Também utilizamos o material orgânico para adubar as plantas e uma pequena horta, pois há muitos nutrientes”, afirma Liziane.

 
O minhocário é feito com um anel de tubulação de concreto, que ela também adquire entre os resíduos descartados em construção.

Acompanhe o passo a passo de como fazer um minhocário:

1 - Prepare um local para contenção , que pode ser uma caixa de plástico, ou uma área diretamente no chão, mas cercada por tijolos ou algo semelhante. Liziane utilizou um anel de tubulação de concreto;

2-  Preencha o espaço de contenção. Na parte inferior, coloque uma camada maior de terra e vá alternando entre uma camada de terra e uma camada de restos orgânicos, como cascas de frutas, legumes, sobras de alimento e folhas. Para iniciar, duas camadas de restos orgânicos são suficientes;

3- Coloque algumas minhocas nesta mistura, pois elas se multiplicarão rapidamente.

Dica:

Para a manutenção, movimente sempre esta mistura, de uma a duas vezes por semana, sempre acrescentando água, caso o local não receba água de chuva ou esteja muito seco. Estes processos são fundamentais para o desenvolvimento das minhocas e o processo de decomposição dos restos orgânicos. Se tiver em casa folhas ou grama cortada, pode-se colocar uma camada deste material, como cobertura final - isto manterá a umidade.
As minhocas podem ser utilizadas como isca para pesca e o húmus produzido pode ser utilizado como adubo natural para as plantas.
 
Bruno Mattos
O Bruno Mattos, responsável pelo departamento de Tecnologia da Informação da Central de Gerenciamento Ambiental de Iperó, desenvolveu em casa, para consumo familiar, um sistema de pomar vertical onde cultiva morangos sem agrotóxico, de forma ecológica, com uso de garrafas PET e reaproveitamento da água para irrigação, em forma de gotejamento.
 

“Cada sistema é composto de 4 garrafas PET encaixadas umas nas outras. Para o plantio das mudas de morango utilizei camadas de estopa, argila expandida, substrato rico em material orgânico, finalizando com uma camada de cascas de pinus.” explicou Bruno.

Veja o vídeo explicativo que o Bruno preparou com o passo a passo de como fazer um pomar vertical no link:

https://www.youtube.com/watch?v=o0SNwx70YkM&feature=youtu.be
 
Claudio Felix
O Cláudio Félix da Silva, Coordenador de SESMT da Unidade Matriz desenvolveu na casa dos seus pais um sistema de captação de chuva para reutilizar a água nos serviços domésticos. Através de três tubulações que descem da calha, a água é despejada em tambores de 150 litros cada, armazenando um total de 450 litros.
 

Além disso, Cláudio explica que em seu condomínio, onde sua esposa é síndica, foi implantado o mesmo sistema de captação de chuva. “Foram instaladas duas tubulações para armazenar 300 litros de água, que é utilizada na limpeza das áreas comuns do condomínio”, contou Félix.

 
Já em seu apartamento, Félix colocou uma garrafa pet de 1,5 litros no interior da caixa de descarga, reduzindo de 6 para 3,5 litros de água utilizada a cada vez que a descarga é acionada.

Veja o passo a passo de como fazer o sistema de captação de água preparado pelo Cláudio Félix

1º passo: corte o cano de descida da água e instale uma abertura para saída de sujeiras maiores, como por exemplo, folhas de árvores. Em seguida, instale uma derivação tipo T para desviar a água da chuva para ponto de armazenagem:
 
Cano cortado

3º passo: Instale 2 curvas para que a água seja lançada no interior do recipiente. Neste caso, o recipiente usado é do tipo bombona de 150 litros:

 
Passo 3
4º passo: Mantenha um pano na entrada da bombona para que ele sirva de filtro e evite a criação de pernilongo:
 
Passo 4
5º passo: determine um ponto na parte superior que você deseje que seja o limite de captação. Faça um furo e instale um pedaço de cano. Este ponto será a saída de excesso de água. Não se esqueça de manter sempre com uma tela para evitar a entrada de insetos:
 
Passo 5

6º passo: na parte inferior da bombona, instale as torneiras para liberação e uso de água captada:
 
Passo 6

Não se esqueça, este não é um sistema de tratamento de água, mas sim apenas de captação. Toda água captada pode ser utilizada para uso doméstico. Observe sempre a possível presença de mosquitos ou pernilongos no interior das bombonas. Periodicamente, faça uma limpeza no sistema, pois é comum a presença de material sólido decantado que se acumula no fundo das bombonas.